Carregando...
Carregando...

População brasileira ainda enfrenta dificuldades para se comunicar com surdos

Postado em 29 de Setembro de 2019 ás 13:22

 

 

Em um local público, Adilson pede informação a uma ouvinte (Foto: Divulgação)

 

Para alguns, o silêncio é opcional. Para outros, é rotineiro. No caso de Adilson de Jesus Paixão, são 34 anos sem ouvir a risada dos amigos ou o barulho do trânsito em horário de pico.

Ele perdeu a audição na infância após sofrer um acidente. A partir daí, passou a integrar os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que até 2010 registrou a marca de 10 milhões de surdos no Brasil. Ainda segundo o órgão, a maior parte deles está nos grandes centros urbanos.

 

Adilson se comunica com as mãos ao utilizar a Língua Brasileira de Sinais, a Libras, que em 2002 foi reconhecida como a segunda língua brasileira. De lá para cá, a sociedade tem buscado meios de entender e melhorar a comunicação com os surdos.

A educação, por exemplo, passou a ofertar cursos de intérpretes de Libras. A tecnologia criou aplicativos capazes de traduzir os sinais. Mas ainda assim, será que a sociedade está preparada para se comunicar com as mãos?

 

Tentativas de aproximação

Diante deste questionamento, a equipe que produz esta reportagem desafiou Adilson a ir em um local de grande movimentação e pedir por informação. A finalidade era verificar se alguém daria atenção, pararia ou tentaria se comunicar.

Para isso, foi até a Lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte, onde há intenso fluxo de pessoas que passeiam, caminham, correm e praticam esportes.

Ele ficou ali por cerca de 20 minutos na tentativa de pedir informação, mas a grande maioria não parava. Alguns olhavam e passavam direito. Outros até arriscavam uns sinais. Mas foi um senhor, chamado Jilmar Gonçalves de Souza, que parou, deu atenção e tentou entender o que ele queria dizer.

Mesmo sem compreender muito bem os sinais, Souza explica que optou por parar por acreditar que todo ser humano precisa de atenção. “Tem gente que passa e não dá nem ideia. Nós, seres humanos, devemos ser uns pelos outros”, enfatizou.

Ao término da experiência, Adilson externou tristeza diante da reação das pessoas. “Para mim foi bastante difícil. Na verdade, essa experiência na Pampulha não foi legal. Me senti angustiado. Senti um certo desprezo com o surdo e a dificuldade de comunicação”, pontuou.

 

Igreja que prega com as mãos

Na semana do Dia Nacional do Surdo, a Igreja Adventista incluiu no calendário o Dia Nacional do Surdo Adventista, comemorado em 21 de setembro. Na data, a igreja adventista central de Belo Horizonte realizou um culto inclusivo. A programação contou com louvores, peças teatrais e mensagens bíblicas feitas pelos surdos, tudo traduzido em sinais.

O casal de noivos, Adilson de Jesus Paixão e Jaqueline Rodrigues dos Santos, estudaram a Bíblia em Libras, por meio do Ministério dos Surdos (Foto: Elenis Ribeiro)

Na ocasião, Adilson e sua noiva, Jaqueline Rodrigues dos Santos, foram batizados. “Eu fiquei muito feliz porque estava tudo acessível. Meus amigos estavam juntos e Deus estava presente”, sinalizou ela.

A igreja também é um espaço público e, portanto, deve estar preparada para receber os surdos. Diante disso, a central de Belo Horizonte desenvolveu o Ministério dos Surdos com a finalidade de traduzir os cultos e auxiliar na formação de intérpretes em Libras que estejam presentes nos templos de diversas localidades.

A responsável pelo Ministério é a professora Janielle Salomão, que conta com a parceria de Viviane Cristina Gomes, responsável pela secretaria. Segundo Janielle, a proposta é que em cada igreja tenha um intérprete e assim os surdos possam entender e estudar a Bíblia.

Intérprete ajuda surdos a compreender mensagem transmitida por quem não domina Libras (Foto: Elenis Ribeiro)

“Estamos em uma missão: alcançar todos. Com os surdos não é diferente. Eles são parte da nossa comunidade e são nossos próximos também. Para alcançá-los, precisa ser na língua deles. Então, um dos objetivos de trazer acessibilidade para dentro da igreja é alcançar os surdos com a mensagem que nós temos sido alcançados”, ressaltou ela.

Curso para formação de intérpretes

O curso ocorre aos domingos, das 17h às 19h, na igreja adventista central de BH, localizada na rua dos Timbiras, 683. Os interessados devem fazer a inscrição na secretaria ou pelo telefone 3226 6144, de segunda a quinta, das 19h às 21h.

Contribua com a Rádio Advento, será maravilhoso também!